A Coroa de Espinhos de Jesus: umas das Jóias mais belas de Notre Dame

Plinio Maria Solimeo

Sobre a Coroa de Espinhos que os algozes cravaram na cabeça de Nosso Senhor Jesus Cristo, São João assim se referiu: “E os soldados, tecendo uma coroa de espinhos, puseram-lha na cabeça”. Segundo tradição, essa relíquia foi recolhida pelos Seus discípulos depois da Paixão e conservada no monte Sion, em Jerusalém, até o ano de 1063.

Mais tarde foi transferida para Constantinopla, capital do Império Romano do Oriente, e guardada pelos imperadores bizantinos. No ano de 1239, coube ao rei São Luís IX, da França, a glória de adquirir do Imperador de Bizâncio essa relíquia inestimável. Para albergar tão precioso tesouro, o forte rei, cheio de fé, mandou construir a mais bela joia arquitetônica de estilo gótico existente no mundo: a Sainte Chapelle de Paris.

A relíquia podia ser parcialmente venerada às sextas-feiras do ano e, mais detidamente, na Sexta-Feira Santa na Catedral de Notre Dame. Protegida por fino anel de cristal, ela se encontrava sob a custódia dos Cavaleiros do Santo Sepulcro de Jerusalém.

Quando irrompeu o pavoroso incêndio na catedral, muitos católicos se perguntaram: “O que acontecerá com o Santíssimo Sacramento e as sagradas relíquias veneradas na catedral?” Para o capelão-mor do Corpo de Bombeiros de Paris, o Pe. Jean-Marie Fournier, era preciso salvá-las! Assim foi ele com os bombeiros ao interior da catedral em chamas, com risco de perder a vida, a fim de tentar livrar do fogo o Santíssimo e a Sagrada Coroa de Espinhos.

Pe. Jean-Marie, 50 anos, ordenado pela Fraternidade Sacerdotal São Pedro, segue a liturgia no rito tradicional. Uniu-se à Diocese Castrense gaulesa em 2004 como capelão-militar, cargo que exerceu por sete anos, acompanhando o Exército francês por várias partes do mundo. Em sua primeira viagem ao Afeganistão, “o medo se apoderou de mim”— confessa ele —, pois sobreviveu a uma emboscada na qual morreram vários soldados franceses.

Em 2011, o Pe. Jean-Marie tornou-se capelão do Corpo de Bombeiros de Paris. Nessa função, acompanhou os soldados do fogo em suas missões mais perigosas, visando sempre atender religiosamente às vítimas dos sinistros.

Assim por exemplo, em 2015, quando houve o ataque terrorista com o maior número de mortos na França desde a Segunda Guerra Mundial, ato perpetrado por terroristas islâmicos que mataram 90 pessoas com rifles, antes de serem mortos pela polícia ou se suicidarem.

Como veremos numa próxima matéria, Pe. Jean-Marie Fournier também desta vez não duvidou e partiu rapidamente para mais um ato de heroísmo ao enfrentar as chamas de Notre Dame com o objetivo de salvar algo de valor inapreciável, o Santíssimo Sacramente e a Coroa de Espinhos. Até breve.

Fonte: http://www.abim.inf.br/notre-dame-ii/#.XMxgco5KjIW

*  *  *

Jesus clama em agonia pelos pecados cometidos, faça a sua parte e comece a ter uma vida de oração 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


<< Post Anterior:

Próximo Post: >>