Bilocação: Padre Pio se transporta à cela do Cardeal Mindszenty e o ajuda a celebrar a Santa Missa

Cardeal Mindszenty sendo preso pelos comunistas na Hungria

A figura de São Pio de Pietrelcina, o frade com os estigmas a quem milhões de pessoas oram e veneram, nunca deixa de surpreender.

Um novo elemento acaba de ser adicionado à coleção de incidentes misteriosos que acompanharam sua vida.

Trata-se de um testemunho publicado em um livro apresentado por ocasião do décimo aniversário da dedicação do novo santuário de San Giovanni Rotondo, no qual está o corpo do frade, e diz respeito a um fenômeno da bilocação do Padre Pio a uma cela de Budapeste, onde estava preso o Cardeal Jozsef Mindszenty, Primaz da Hungria.

O episódio, já conhecido, foi imortalizado em um dos mosaicos que ornam a cripta do santuário dedicado ao Padre Pio, mas o depoimento que o descreve em detalhes nunca tinha sido publicado.

O livro que o relata intitula-se Padre Pio. A sua igreja, os seus lugares, entre devoção, história e obra de arte (Edição Padre Pio de Pietrelcina) e foi escrito por Stefano Campanella, diretor do Teleradio Padre Pio e autor de inúmeros ensaios sobre a figura do santo de Gargano.

O Cardeal Mindszenty foi preso pelas autoridades comunistas húngaras em dezembro de 1948 e condenado à prisão perpétua no ano seguinte, depois de um julgamento falso que o acusou de conspirar contra o governo.

Por oito anos permaneceu no cárcere e em prisão domiciliar, sendo libertado durante a insurreição popular de 1956. Refugiou-se depois na Embaixada dos EUA em Budapeste, onde permaneceu até 1973, quando o Papa Paulo VI o suspendeu da liderança da diocese.

Foi nos anos mais difíceis passados ​​na prisão que teria acontecido o episódio de bilocação que levou São Padre Pio a confortar o cardeal.

Testemunhou-o perante os juízes do processo de beatificação do frade um dos homens que estiveram mais próximos dele, Angelo Battisti, administrador da Casa Alívio do Sofrimento, bem como datilógrafo da Secretaria de Estado do Vaticano.

Eis como é descrita a cena da visita de São Padre Pio ao Cardeal Mindszenty no livro:

“O Capuchinho estigmatizado, enquanto está em San Giovanni Rotondo, vai levar o pão e o vinho destinados a se tornarem o Corpo e o Sangue de Cristo no oitavo dia; neste caso, a bilocação adquire ainda mais o significado de antecipação do oitavo dia, ou seja, da ressurreição, quando o corpo é libertado das limitações do espaço e do tempo; simbólico, então, é o número de série no pijama do prisioneiro: 1956 é o ano da libertação do cardeal.”

“Como é sabido – disse Battisti em seu testemunho nos atos do processo canônico –, o Cardeal Mindszenty foi preso, colocado na cadeia e vigiado.

“Com o tempo, tornava-se vivíssimo seu desejo de poder celebrar a Santa Missa. Certa manhã, apresenta-se-lhe Santo Padre Pio com tudo aquilo que ele necessita.

O cardeal celebra sua Santa Missa, ajudada pelo Padre Pio: depois falaram e, no final, o santo desaparece com tudo que havia levado.

“Um padre vindo de Budapeste, encontrando-me, confiou-me reservadamente o fato, perguntando-me se poderia obter uma confirmação do Padre Pio. Respondi-lhe que se tivesse perguntado uma coisa do gênero ao Padre Pio, ele me teria dito um impropério.”

Mas numa noite de março de 1965, no término de um colóquio, Battisti diz ao frade estigmatizado: “Padre, o Cardeal Mindszenty reconheceu o Padre Pio?”.

Depois de uma primeira reação de irritação, o santo responde: “Que diabos, nós nos encontramos e conversamos, eu não quero que se reconheça?”.

Confirmando assim sua bilocação até à prisão, ocorrida anos antes.

Servo de Deus Josef Mindszenty

“Então – acrescenta Battisti – tornou-se triste e acrescentou: “O diabo é mau, mas o tinham reduzido a mais feio que o diabo”.

O que demonstra que o Padre o vinha assistindo desde o início de sua prisão, pois não se pode humanamente conceber que o Cardeal tivesse sido capaz de resistir a todos os sofrimentos a que foi submetido, e que ele descreve em suas memórias. O Padre Pio conclui: “Lembre-se de rezar por este grande confessor da fé, que sofreu tanto pela Igreja.”

 

(Fonte: http://vaticaninsider.lastampa.it/news/dettaglio-articolo/articolo/pio-pietrelcina-35037/)

*  *  *

Compartilhe
Share on Facebook
Facebook
0Tweet about this on Twitter
Twitter

2 Comentarios

    • Olá, Da. Lani Karla
      Tudo bem?

      Para que possamos atender seu pedido o mais breve possível, por gentileza, nos envie esta solicitação juntamente com seu nome completo e o e-mail cadastrado no grupo Filhos Protegidos do Padre Pio para o endereço eletrônico: contato@reginafidei.com.br

      Que Nossa Senhora e Padre Pio lhe abençoem.

      Em Jesus, Maria, José e Pio,
      Associação Regina Fidei

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


<< Post Anterior:

Próximo Post: >>