Aborto começa a perder espaço na França

Manifestantes Pró-Vida em grande número seguram grande faixa dizendo que ter filhos é a verdadeira liberdade.
Movimento Pró-Vida mostra o cristianismo francês renascendo. Na faixa está escrito:”Dê à luz o seu bebê, essa é a verdadeira liberdade!”

Em 2017, os atos públicos que procuram dissuadir as mulheres de tirar a vida de seus filhos marcaram o dia a dia francês. Com intenção torpe, esses atos foram enquadrados pelo legislativo do país na categoria temerária de “crimes de obstrução ao aborto”.

Porém, esse é apenas o mais recente de uma série de atos em que a matança de bebês inocentes foi sendo introduzida lá. Como se vê, hoje em dia o aborto já é, na prática, um direito comum na França, que era chamada, outrora, “a filha primogênita da Igreja Católica”.

Os inimigos ganharam terreno pouco a pouco  

Foi há pouco mais de 40 anos que o aborto foi introduzido na opinião pública de lá, sempre de forma mascarada. Com palavras ambíguas, as autoridades adormeceram a vigilância dos cidadãos. 

E, o que é pior, os fez patrocinadores do ato diabólico com a alta taxa de impostos vigentes no país. Não é por acaso que a França tem um alto custo de vida. Essa é uma das faces do socialismo.

Naquele tempo, tanto o episcopado quanto os cidadãos não impuseram nenhuma resistência. O que inicialmente parecia apenas um ganho de atendimento para a saúde pública, com o passar do tempo revelou-se um abuso inaceitável.

A reação começa movimentar o país de volta à ordem cristã

Entretanto, outros ventos estão soprando na França. Impulsionados pela internet, os católicos estão batendo de frente com os abortistas.

Com um número de participantes que só cresce, e formado principalmente por jovens, a Marcha pela Vida têm marcado a vida cultural e religiosa de Paris. Os participantes da Marcha querem a abolição da “lei Veil”, que é o cerne das imposições legislativas que oprimem quem vive segundo a Lei Natural e a Lei de Deus.

Atualmente, quem é pego obstruindo o aborto de alguma forma é penalizado com dois anos de prisão e multa equivalente a 135 mil reais. O resultado disso é de 210 mil bebês assassinados por ano naquele país.

A reação se faz ouvir em boa hora, já que a França se tornou um país de crimes legalizados contra a vida de fetos e nascituros.

Agora, um hospital público se recusa

Os ativistas pró-Vida ainda terão muito o que fazer para sanear a legislação francesa de seus males contra os mais indefesos. Mesmo assim, os cristãos já podem comemorar o fato de que sua voz altissonante está causando sensação na mídia e junto à elite socialista e abortista do país.

Em janeiro de 2018, pela primeira vez, um hospital público cessou de praticar aborto na França. Três de seus quatro ginecologistas se recusaram a se tornar assassinos.

E só cresce por lá o número de médicos que, alegando objeção de consciência, não aceitam interromper gravidez.

Nesse incontornável campo de batalha de nossos dias, o movimento pró-vida cresceu, superando seus adversários. “Os homens combatem e Deus lhes dá a vitória” — disse Santa Joana d’Arc.

____________________________________________________________

Fonte:

Este texto foi baseado nem artigo de Antony Burkhardt, em tradução de Paulo Roberto Campos.  Consta na postagem de 20 nov. 2018, no “Blog da Família”.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


<< Post Anterior:

Próximo Post: >>